26 de outubro de 2020

boliche.com.br

O mais completo site brasileiro

REABERTURA DO BOLICHE

21 min read
Reabertura do Boliche

A Reabertura do Boliche será quando?
E como será feita?

Neste artigo farei uma análise da situação atual do negócio de Boliche, durante a Pandemia do Covid-19.

Além de sugestões e relatos de casos reais, listarei as orientações básicas para superar essa crise inédita.

Caso queira mais detalhes, clique no box abaixo (Fale com o Editor) ou envie uma mensagem para o WhatsApp (11) 9 9973-0492.

Sou o Bira Teodoro, administrador e editor deste site desde abril de 1998.

A situação atual

A pressão para a reabertura dos Centros de Boliche aumenta a cada prorrogação do fim da quarentena.

Ocorre que o isolamento social, praticado na maioria das cidades, está sendo inferior ao percentual recomendável (70%) pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Os discursos equivocados que minimizam a importância do isolamento horizontal afetam o comportamento da população,
pois parte considerável dos cidadãos desrespeita as orientações sanitárias.

O maior erro é partir da premissa que “a maioria será infectada de qualquer forma, independentemente do isolamento”.

É certo que a maior parte da população acabará sendo infectada pelo Corona Vírus, porém o isolamento visa apenas DIMINUIR a VELOCIDADE do contágio.

Os especialistas médicos chamam essa redução de “achatamento da curva”.

O Sistema de Atendimento Hospitalar entrará em colapso caso não haja a redução na velocidade do contágio.

As outras emergências continuam ocorrendo, como os acidentes, as doenças cardíacas, pulmonares, câncer, etc.

Todas elas requerem atendimento de pronto-socorro.

E muitas precisam de internação e uso das Unidades de Terapia Intensiva.

Contudo, os hospitais públicos e particulares tem limites de atendimento e internação, principalmente daquelas que necessitam de UTI.

No entanto, lembre-se que estaríamos numa situação ainda pior sem o isolamento horizontal, mesmo abaixo dos 70% recomendados.

Além disso, ainda não há clareza legal das autoridades suficiente para a retomada das atividades.

O irônico desse dilema sobre o isolamento foi previsto por muitos cientistas, que alertaram para um fato (ou problema) que poderia acontecer:

Essas autoridades sanitárias alertaram que “quanto melhor fosse o desempenho do isolamento social, maior seria a sensação de que ele era desnecessário.”

E é o que está acontecendo agora (junho/2020).

Reabertura dos Shoppings

Sejamos realistas: a situação dos Shopping Centers é um tanto quanto desanimadora diante dessa inédita pandemia.

Apenas 12% dos 105 mil lojistas de Shopping Centers brasileiros estão com as portas abertas.

E mais de 480 dos 577 shoppings do Brasil permanecem fechados.

Nos últimos dias, algumas cidades brasileiras colocaram em prática os planos de reabertura gradual.

E, mais uma vez, a desinformação prejudica as medidas de controle.

As ações de prevenção continuam necessárias e não houve exageros nos locais que optaram pelo cuidado mais rigoroso.

Situação em São Paulo

O Estado foi dividido em Zonas de Risco, conforme os indicadores de capacidade dos hospitais e a evolução da doença nessas regiões.

São cinco Fases que ajudarão na identificação da situação dessas zonas.

A UM é a mais crítica, na qual a ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está acima de 80%.

A DOIS estarão as zonas de controle com ocupação entre 60% e 80%.

A TRÊS é a da Flexibilização (abaixo dos 60%).

A QUATRO define-se como abertura parcial e serão regiões onde os leitos hospitalares estão com ocupação abaixo dos 60% e baixa incidência de novos casos.

A CINCO é a última, considerada como Normal Com Controle.

O funcionamento dos centros de boliche se enquadra somente nessa Fase CINCO.

Como planejar a reabertura

Uma empresa a cada quatro fecha as portas no Brasil em até dois anos de funcionamento, segundo o SEBRAE.

Três fatores são os principais para o encerramento das atividades:
Falta de Planejamento adequado;
Gestão insuficiente;
Mau desempenho do empreendedor.

A Falta de Planejamento reflete-se quando 46% dos empresários desconhecem o número de clientes potenciais e seus hábitos de consumo.

Outros 55% sequer fizeram um Plano de Negócios.

Visite seus concorrentes antes, durante e depois da implantação do seu negócio.

Acompanhe os produtos e serviços que são oferecidos, seus preços, métodos de abordagem.

E, no caso em questão, estude como estão enfrentando a crise provocada pela pandemia da Covid-19.

Quanto à GESTÃO eficiente, procure um diferencial que atraia sua clientela, pesquise, estude os empresários do ramo.

O EMPREENDEDOR de sucesso sempre deve ter objetivos e metas muito bem definidos.

Acompanhe, também, o mercado financeiro, principalmente os bancos que oferecerem empréstimos para capital de giro, ou refinanciamento mais vantajoso, por exemplo.

Esteja sempre atualizado com a situação das empresas fornecedoras e as políticas de governo que afetam, ou poderão afetar o seu negócio.

Renegocie insistentemente os valores de aluguel, fundo de promoção e condomínio.

Peça detalhamento e justificativas dessas despesas fixas.

Exemplo de recomendações aos lojistas

(Reprodução comentada de um Comunicado enviado por um Shopping para seus lojistas)

Como o referido decreto municipal autoriza o retorno das atividades, o Shopping X informa que a, partir do dia tal, retomará as suas atividades.

Essas atividades serão limitadas a um período reduzido e com controle de clientes, devendo obrigatoriamente todos os lojistas cumprir com as normas sanitárias e de saúde pública aplicáveis.

Os lojistas deverão alertar todos os seus colaboradores da necessidade de estrito cumprimento, visando resguardar a saúde e bem-estar de todos para que seja possível a reabertura com segurança.

Disponibilize os EPI (Equipamento de Proteção Individual) para seus funcionários e colaboradores, como máscaras, protetores faciais, álcool gel, etc.

Prepare o ambiente frequentado pelos seus clientes com avisos e faixas visíveis e com orientações claras e simples.

Oriente seu Pessoal de Faxina para intensificar. os períodos de limpeza e abastecimento de insumos nos banheiros, como sabão para lavar as mãos.

Limites e Regras

Os seguintes limites e regramentos legais deverão ser cumpridos:

1 – Funcionamento de segunda-feira à sexta-feira, de tal hora até tal hora, adotando, se necessário, sistema de escala de revezamento entre os contratados;

2 – Limitação do número de clientes e frequentadores em, no máximo, X por cento da capacidade do local;

3 – Adoção de acessos exclusivos e independentes para entrada e saída, separados entre si, e devidamente controlados;

4 – Limitação da entrada de, no máximo tantas pessoas da mesma família, concomitantemente.

E desde que não apresentem qualquer dos sintomas suspeitos de COVID-19, como tosse, anomalia ou alteração respiratória, febre e etc;

Cuidados com a higienização

5 – O lojista deverá utilizar termômetro de medição instantânea por aproximação, em todas as entradas, impedindo o acesso de todo aquele que apresentar temperatura igual ou maior que 37,8º C;

6 – Disponibilize a higienização com Álcool Gel em vários pontos do seu estabelecimento;

7 – Proibição de utilização de fraldários, salas de amamentação e similares;

8 – É vedada a utilização de praça de alimentação, quiosques ou qualquer outro espaço similar para consumo de produtos no local;

9 – Funcionamento de bares, restaurantes e lanchonetes, exclusivamente, por meio do sistema de entrega em domicílio (delivery);

> nesse caso a retirada deverá ser no local,
mediante prévia encomenda e
agendamento (take away – “pegue e vá”);

> sem que o cliente desça do veículo
para fazer o pedido,
efetuar o pagamento e
retirar o produto (drive thru);

10 – Retirar bancos, sofás, poltronas e similares das áreas comuns de permanência e situadas fora das praças de alimentação;

11 – Suspensão dos serviços de valet ou manobrista;

12 – O número máximo de pessoas que podem adentrar os estabelecimentos, deverá ser informado por meio de placa ou cartaz afixado em todas as entradas, em local de fácil visualização;

13 – Cada estabelecimento será responsável pelo controle de entrada e saída de pessoas, de forma a impedir entrada de número maior que o permitido;

Acesso restrito

14 – Fica recomendado o afastamento de colaboradores (contratados e prestadores de serviços) idosos e portadores de doenças crônicas:

(diabetes insulino dependentes,
cardiopatia crônica,
doenças respiratórias crônicas graves,
imunodepressão, etc),

e gestantes de risco, adotando sistema remoto de trabalho (home office);

15 – A entrada e permanência são proibidas nas dependências dos shopping centers e lojas neles instaladas sem a correta utilização de máscara de proteção;

OBS: determinação válida para qualquer pessoa, inclusive frequentadores, empregados e demais contratados;

16 – É vedada a entrada de crianças nos estabelecimentos tratados pelo presente Decreto.

OBS: considera-se criança a pessoa com até 12 (doze) anos de idade incompletos;

17 – Recomendamos a idosos, portadores de doenças crônicas, gestantes e lactantes, que evitem, ao máximo, frequentar as dependências de shopping centers, galerias e centros comerciais, enquanto perdurar a situação de pandemia;

18 – Deve ser observado por clientes e frequentadores, o espaçamento mínimo obrigatório de 2 (dois) metros entre as pessoas, também nos corredores de shopping centers, galerias e centros comerciais.

Veja abaixo um ótimo vídeo com orientações aos frequentadores de Shopping durante a quarentena:

Um exemplo gaúcho

(clique aqui para ver a matéria original)

Alguns casos que chegaram até o projeto SOS-PME Rede de Assessoria Empresarial são boas medidas do quão diversos e críticos são os males que afetaram a saúde das pequenas e médias empresas a partir da chegada da Covide-19.

Nascido como um projeto de extensão do curso de Administração da UFRGS, o SOS Pequenas e Médias Empresas foi viabilizado como uma forma gratuita de ajudar pequenos empresários a segurarem as pontas e buscarem alternativas enquanto a pandemia durar.

Os casos mais complicados são os das empresas que, subitamente, “não conseguem mais entregar a sua proposta de valor”.

Um boliche, uma escola de educação infantil ou um cinema, por exemplo.

Não há como adaptar um tipo de serviço que não será prestado por um tempo.

O caso Bowlerama

O Bowlerama (antigo Bowling Bar) é um centro de boliche, localizado em Porto Alegre (RS), dentro do Clube Geraldo Santana.

Tem quatro pistas de boliche e restaurante com um atraente layout dos anos 50.

Somos um lugar muito querido pelos nossos clientes. Mas todo faturamento do local se baseava em recebê-los bem, em realizar eventos e encontros em torno do boliche.

Sabe-se lá quando isso vai ser retomado. Até tínhamos no local mesas para servir lanches, petiscos, mas quem conhecia o Bowlerama não relacionava a marca a comida — comentou o proprietário do local, Thiago Araújo.

Nesse caso, a solução foi transformar o local em uma “dark kitchen”, atividade liberada para funcionamento.

Ou, como prefere Thiago, em uma “space kitchen”: uma cozinha de portas fechadas para restaurantes que só existem para delivery.

O auxílio da UFRGS veio para otimizar a ideia.

Por exemplo: em vez de uma marca com diversos produtos, foi concebida uma marca própria para cada prato, otimizando a eficiência das buscas nos apps de comida.

A primeira, o Tinys Burger, é uma hamburgueria, mas em breve o boliche dividirá espaço com outras seis marcas de pastel, churros, pizzas, empanadas e frango.

Com cinco funcionários, o Bowlerama está todo voltado aos restaurantes virtuais.

Porém, a ideia é que, no futuro, os dois negócios coexistam.

O melhor aproveitamento da cozinha, segundo Thiago, deve se manter depois da pandemia.

Como tirar a empresa do vermelho

(clique aqui para ver a matéria original)

Não é vergonha para um empresário ou ser motivo de frustração e desistência descobrir que o caixa de sua empresa está no vermelho.

Para saber como tirar a sua empresa do vermelho apresentaremos algumas informações importantes que ajudarão a sair dessa situação.

Entretanto, é preciso acima de tudo ser racional para se organizar, tomar as decisões necessárias e agir para solucionar a crise de sua empresa.

O CAIXA ESTÁ NO VERMELHO!” é um termo muitas vezes assustador, utilizado na área das finanças quando as contas estão diferentes, com saldo negativo.

Explicando de modo simples, o caixa no vermelho quer dizer que o faturamento mensal da sua empresa é inferior ao que você gasta e mesmo que você pague todas as contas e funcionários, ainda vai faltar dinheiro.

Você precisará fazer a análise todos os dados e fatores relevantes em relação a sua empresa e a sua situação financeira.

É fundamental identificar os custos desnecessários, falhas no planejamento e os erros na gestão financeira, além de tudo mais que pode ter levado o caixa da empresa a ficar no vermelho.

Nesse artigo você terá as melhores orientações para fazer a gestão financeira de sua empresa de forma a ter melhores resultados, além de saber como tirar a sua empresa do vermelho.

Veja também outro artigo sobre esse tema:
COMO RECUPERAR UM BOLICHE ENDIVIDADO

Por que o Caixa está no vermelho?

Os motivos mais comuns para levar o caixa de uma empresa ao vermelho são em geral gastar sem controles rígidos e precisos, ou seja, uma má gestão do caixa.

Muitos empresários quando vêem muito dinheiro entrando na conta da empresa, ficam bastante empolgados e gastam sem planejar, esquecendo que há gastos fixos tais como fornecedores, folha de pagamento dos funcionários, água, energia elétrica, telefone, aluguel, financiamentos, etc.

O dinheiro entrando todos os dias pode ter bom volume, porém se os gastos forem igualmente grandes, não será tanto dinheiro assim no momento de pagar as contas.

15 Orientações infalíveis para sair do vermelho

 1. Entenda como está sua situação hoje

O primeiro passo para sair do vermelho é entender como está sua situação.

É fundamental saber a real situação, onde você está, e assim planejar como e onde você quer chegar.

Muitos empreendedores entram numa espécie de transe, ficam atônitos como se procrastinando tomar providências faria essa crise passar sozinha.

É preciso antes de tudo conhecer a situação e esclarecer o que está acontecendo na empresa.

Pare e saiba por que os números estão dessa forma.

Após fazer isso, será possível estabelecer uma estratégia para resolver o problema.

2. Encontre as causas

Para sair do vermelho é fundamental descobrir o que está errado na operação do negócio.

A pergunta chave é saber por que a empresa está deficitária.

Muitas vezes poderá ser porque o empresário confunde caixa com lucro,
ou os fluxos de pagamento e de recebimento não estão acoplados,
ou falha de processo nos registros de informações.

Assim acaba criando um espaço de tempo entre a entrada e a saída de recursos, criando a ilusão de mais receitas e menos despesas.

Nessa situação, é muito importante usar a DRE (Declaração de Resultados do Exercício).

3. Domine finanças

Dizer que ser empreendedor exige mais instinto e autoconfiança do que conhecimento é um mito que poderá quebrar a própria empresa.

Conhecer e acompanhar os números do negócio é básico para poder fazer gestão da sua empresa, em toda e qualquer situação.

Saber interpretar os números é uma das principais habilidades do empreendedor, e mesmo que algum sócio não tenha o domínio desse assunto, não deve ficar sem fazer esse acompanhamento diário, o dinheiro é a matéria-prima e o ‘sangue’ da empresa.

4. Renegocie as dívidas

Agora que você já sabe quais são as dívidas da empresa, é o momento de  iniciar a negociação.

Priorize as piores e maiores dívidas na escolha de fazer pagamentos.

Escolha aquelas em que incidem juros altos ou que colocarão a continuidade da empresa em risco, tais como fornecedores de matéria-prima ou serviços essenciais.

Com uma conversa franca, é possível estender o prazo de pagamento ou reduzir o valor diante de uma entrada imediata., ou para um valor pago à vista, por exemplo.

Tenha em mente que fornecedores em geral costumam ser mais compreensivos do que os bancos e o governo.

Aproveite o momento para calcular se é mais favorável ou não, obter um empréstimo ou hipoteca com juros menores para pagar essa dívida que tem juros mais altos.

Em situação de crise financeira, o empreendedor nunca deve ter medo de conversar e pedir mais prazo para que possa obter recursos.

5. Analise e corte o que for possível e não fizer falta

O momento agora é para olhar com atenção todos os custos fixos da empresa, e quanto eles representam sobre o faturamento.

Reveja despesas como o aluguel, leasing, internet, energia elétrica, água e saneamento, pequenas despesas que somadas serão grandes, algum funcionário que não se paga pelo que entrega.

E até mesmo o próprio contador da empresa e outros terceirizados.

Para essa situação, a solução é renegociar valores dos contratos, como explicado na orientação anterior, ou fazer a substituição por fornecedores com melhor custo-benefício.

Não é raro o empreendedor escolher um fornecedor por ser mais conveniente, sem pesquisar muito nem comparar orçamentos.

Em caso que seja necessária uma substituição, isso até poderá modernizar alguma coisa em seu negócio, caso o contrato existente estivesse atrelado a algum serviço mais obsoleto e menos eficiente.

Tenha cuidado para não cortar investimentos que trazem resultados.

Muitos empreendedores vão simplesmente cortando despesas e destas algumas que são investimentos e acabam prejudicando a empresa, o que a fará gerar ainda menos receitas.

Atenção aos custos variáveis, esses já costumam ficar diminuídos automaticamente com a queda das vendas, tais como o gasto com matéria-prima, por exemplo.

Se nessa área existirem cortes, poderá prejudicar toda a empresa, então aqui é melhor negociar com os fornecedores ou mesmo experimentar outros novos no mercado.

6. Separe as contas do pessoal do empresarial

Vemos com frequência a situação de CNPJ pobre e CPF rico…

É um erro grave que muitos empreendedores ainda cometem:

Quando as contas de casa ficam mais altas, aumentam as retiradas diretas e indiretas.

A empresa paga contas que devem ser pagas com o pró-labore e o caixa da empresa é esvaziado para pagar essas dívidas pessoais.

Quem agir assim e retirar do caixa da sua própria empresa, estará prejudicando as possibilidades de faturar mais, sair do vermelho e se manter de forma sustentável.

Caso o empreendedor tenha problemas nas finanças pessoais, ele deve cortar custos como qualquer pessoa.

Jamais repassar seu prejuízo para a empresa, prejudicando toda uma rede de pessoas e outras empresas que dela dependem.

7. Foque no seu Fluxo de Caixa, diariamente

Você sabe o que é fluxo de caixa?

Pois deve saber: ele é a fotografia de como sua empresa está de saúde, e precisa ser acompanhado todos os dias.

Fluxo de caixa é uma tabela que apresenta a soma das suas receitas e das despesas em um determinado período de tempo.

Quando você faz uso do seu fluxo de caixa, registrando entradas e saídas, consegue antecipar situações sazonais já vivenciadas em anos anteriores.

Assim você se torna capaz de prever e se preparar para períodos de dificuldade nos negócios.

O registro de uma despesa que deverá ser quitada daqui a algum tempo, três meses por exemplo, já antecipará um saldo negativo no futuro.

Dessa forma, cria tempo para estabelecer estratégias para cobrir o gasto e não cair em dívidas.

A informação fundamental que a planilha de fluxo de caixa indica, é saber diferenciar o que é caixa e o que é lucro.

A confusão entre esses dois conceitos faz com que o empreendedor faça a gestão apenas com base no fluxo de caixa, e isso causará inúmeros (e graves) problemas.

A manutenção das planilhas de fluxo de caixa e DRE (Declaração de Resultados do Exercício) deve ser um trabalho contínuo e apurado, detalhado e sem omissões.

Para fazer isso, é só registrar, um pouco a cada dia, mas de forma contínua.

Quem não fizer isso em meios eletrônicos, pode fazer uso de um caderno de papel.

A questão é fazer!

8. Tenha um sistema de gestão

Você está pensando que isso parece complicado para fazer e acompanhar?

Ter maior cuidado com as contas da empresa e documentar os números importantes do negócio permite saber como está a situação em tempo real e cenários futuros, de forma realmente profissional.

Você poderá optar por documentar no papel ou em uma tabela do Excel.

Porém em negócios maiores é necessário optar pelo trabalho em softwares, pela quantidade de dados e cruzamentos possíveis das informações.

Mas qualquer que seja o sistema, seja em computador ou uma solução mais simples, ter tudo registrado é necessário.

Dessa forma, quando esses registros não existem, é muito difícil entender a situação real do empreendimento.

Sem informação, o empreendedor não consegue saber o tamanho do seu lucro ou do seu prejuízo.

E, sem isso, não é possível desenvolver um plano de negócios ou plano estratégico.

Registrar tudo na empresa, sejam números ou processos, é a garantia de que você não desconhecerá como está o seu negócio, as suas finanças e como será o futuro próximo dele.

9. Tenha parcerias estratégicas

Há um ditado popular que diz “a união faz a força”, o que é uma verdade quando se trata de formar alianças estratégicas para épocas de menor fartura.

Busque conhecer e negocie com empresas que ofereçam um serviço complementar ao seu.

Elabore combos mais completos para o cliente a um custo menor, assim todos ganham.

Por exemplo, uma empresa de alimentação passa a oferecer entregas por uma única empresa.

Essa mudança irá centralizar e facilitar a operação, além de ser mais barato do que contratar os serviços separadamente.

Um segmento que trabalha muito bem e são unânimes ao listar os benefícios do associativismo é o de consultores empresariais.

Em diversas situações eles se associam para juntos serem capazes de fornecer atendimento às necessidades do cliente.

Da mesma forma, empresas concorrentes ou que fazem uso dos mesmos insumos, aliando-se farão possível as compras conjuntas.

Assim ganham poder de barganha na negociação de preços e prazos de pagamento.

Empreendedores associados, seja por entidades de classe ou por interesses comuns, podem dividir também investimentos em
consultorias,
treinamentos,
ações de marketing e
visitas técnicas a centros de pesquisa e desenvolvimento.

E qual o ponto positivo de ter parcerias estratégicas?

Isso gera mais vendas: quem antes tinha limitações, passa a anulá-las, além da possibilidade de ter acesso a carteira de clientes que seu parceiro e poder oferecer seus serviços no futuro.

Com parcerias estratégicas bem montadas, sua empresa sai do vermelho não cortando gastos e sim gerando mais lucros através de acordos.

10. Busque novos mercados

Se o setor de atuação do seu negócio entrou em crise ou encolheu, é preciso diversificar e buscar novos mercados para seus produtos ou serviços.

Caso a sua empresa sofra de efeitos do ritmo da economia, seja local ou globalizada, antecipe-se e diversifique os clientes.

Essa ação dará mais força para sua empresa se manter hoje e crescer no futuro, passada a variação do mercado.

Lembre-se que crise é sempre uma oportunidade disfarçada de problema.

11. Utilize o “Limpa Nome Online” 

Clique aqui e acesse o Limpa Nome Online Empresas.

Ao se cadastrar, o empresário tem acesso aos débitos do seu CNPJ e pode negociá-los diretamente com as empresas participantes.

Para acessar basta preencher um cadastro, que deverá ser validado com um certificado digital ou com o código de um comunicado recebido pelo devedor.

Em seguida, o empresário vai acessar a página onde estarão relacionadas as empresas participantes do Limpa Nome Online, as empresas com as quais existem dívidas pendentes.

As companhias dispostas a negociação no feirão poderão ser consultadas no menu lateral na mesma página.

Ao escolher e clicar no nome da empresa serão apresentadas as pendências e os canais de atendimento disponíveis (telefones, e-mail, chat) para renegociar, e ainda o boletos para pagamento.

12. Promova a integração dos setores da sua empresa

A integração coordenada dos setores da empresa além de possibilitar melhores resultados, permite que todos tenham um entendimento completo das contas,
do fluxo de caixa,
das perspectivas de gastos e arrecadações,
e faz com que a busca de resultados seja comum e mais comprometida.

Agende reuniões periódicas para analisar e rever metas e números.

Será um dos seus compromissos mais importantes.

Se você for o único responsável na empresa por todo o controle financeiro (como é comum em micro e pequenas empresas), deverá dar ainda mais atenção ao orçamento e às planilhas, pois os números precisam de acompanhamento constante.

13. Só assuma dívidas que façam aumentar o faturamento

A regra de ouro nas finanças quando se fala de crédito, é que empréstimo só é bom quando se poderá usá-lo para ganhar mais dinheiro do que for pago em juros.

Essa prática se chama alavancagem, é quando uma empresa usa crédito para aumentar a sua capacidade de gerar riqueza.

Sempre, em quaisquer outros casos, os juros são gastos desnecessários que poderão sobrecarregar e prejudicar a empresa.

E isso se encaixa a outras dívidas também!

A orientação aqui é que você deve evitar assumir dívidas que não reflitam em ganhos imediatos.

Evite também empréstimos, linhas de crédito e principalmente, do cheque especial.

14. A organização financeira da empresa é um investimento lucrativo

Uma boa e organizada gestão financeira da empresa é fundamental para a sobrevivência de qualquer negócio.

Muitas pequenas e médias empresas não dão a devida atenção à gestão financeira de sua empresa.

Enxergam erroneamente apenas como um trabalho com aspectos ligados a sua atividade fim.

Ignorar ou desconhecer os números do negócio seria equivalente a tentar cruzar de barco um oceano, sem uma bússola e um mapa.

Atualmente existem diversos produtos e serviços como consultorias e softwares financeiros que podem lhe auxiliar.

Com essas ferramentas você fará uma gestão financeira mais eficiente e lucrativa da empresa.

Não existem desculpas ou justificativas para não fazer isso.

15. Combata a inadimplência dos clientes

Algumas vezes o que leva uma empresa a ter problemas financeiros é a inadimplência de clientes, levando-a ao endividamento.

É preciso ter um sistema eficiente para controle e cobrança de clientes que não pagam em dia, para que estes não sejam esquecidos, e que oriente para a tarefa das cobranças.

Existem formas de incentivar o pagamento pontual, como descontos no boleto, bonificações e outros benefícios para clientes adimplentes.

Outra ideia é colocar as datas de vencimento sempre para os primeiros dias do mês, pois a maioria das pessoas e empresas pagam suas contas no início de cada mês, priorizando as contas desse período.

Defina suas metas empresariais

É fundamental definir claramente as metas e prioridades da empresa que devem ser realizadas a curto tempo, médio e longo prazo.

Se por acaso isso lhe parecer difícil ou muito complicado, não hesite e buscar uma orientação financeira empresarial externa profissional.

Busque auxilio honesto e eficiente para organizar suas finanças, receitas e despesas.

Mude para melhor

É preciso efetuar mudanças nas formas de pensar e de fazer a gestão da empresa.

Novas formas de pensar e fazer a gestão é tudo que a empresa necessita para sobreviver a uma crise.

Como gestor de empresa, você deve estar consciente que a falta de controle adequado nas finanças é um erro comum, mas que precisa ser corrigido e mantido sob controle.

É necessário também o empresário para tirar o seu caixa no vermelho, tenha um novo Plano de Negócios.

E, também, montar uma equipe de colaboradores motivados, processos sistematizados, novidades no marketing e estratégias de competitividade da empresa e custos rigidamente controlados nos meses que se seguem.

Avalie se é o caso de contratar um especialista para a função.

Porque além de ter alguém com o olhar mais treinado para os números e registros, você ficará menos sobrecarregado com o trabalho, com mais tempo para dedicar atenção aos outros processos da gestão.

Se ter um colaborador (ou estagiário) para esse trabalho não é viável, avalie a possibilidade de treinar alguém para a função.

Ou ter um bom software de controle financeiro também poderá ser suficiente.

É uma ferramenta útil na atualização, análise e armazenamento dos dados sobre o dinheiro da empresa, desde que seja feita a atualização diária dos registros.

Foco nas metas

Ter um Plano de Negócios será necessário para orientar e acompanhar o faturamento e as despesas, tanto em relação a qualquer outro fator que envolva as finanças da empresa.

O novo foco da empresa deve ser seguido sem nenhum desvio ou falsos atalhos, atendendo as necessidades da empresa, dos clientes e superando a concorrência.

O que ajudará a empresa a sair dessa crise e colocar-se em um novo patamar de austeridade inteligente, sem tensões criadas por cada valor gasto.

Caso você tenha dificuldades em gerenciar as finanças com um quadro de dívidas, não hesite em buscar ajuda profissional.

Embora pareça um gasto a mais, será um investimento para recuperar seu negócio e um aprendizado para qualquer outro negócio que você venha a ter.

Conclusão

Para fazer uma gestão mais eficiente do seu negócio é preciso dedicação e estudos, acompanhados de testes e avaliações constantes.

Para finalizar segue a imagem abaixo como exemplo de adaptação ao “Novo Normal”, pós pandemia.

A AirAsia apresentou o novo uniforme do pessoal de atendimento à bordo, com máscaras, óculos especiais e luvas para se proteger.

Antes do embarque, tripulantes e passageiros tiveram suas temperaturas medidas para garantir que ninguém embarcasse febril.

Os passageiros também foram obrigados a usar máscaras descartáveis nos voos, e sentados sem ninguém ao lado.

Serão medidas temporárias ou definitivas?
Aplicáveis no curto, médio ou longo prazo?
Só o tempo dirá…

Reabertura do boliche

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *